#gastrô, #viaja

#viaja: Bodega Bouza

“I love wine because it is one of the last true things. In a world digitized to distraction, a world where you can’t get out of your pajamas without your cell phone, wine remains utterly primary. Unrushed. The silent music of nature. For eight thousand years, vines clutching the earth have thrust themselves upward toward the sun and given us juicy berries, and ultimately wine. In every sip taken in the present, we drink in the past—the moment in time when those berries were picked; a moment gone but recaptured—and so vivid that our bond with nature is welded deep.”

(Karen MacNeil, The Wine Bible)

“Adoro vinho porque ele é uma das poucas coisas verdadeiras que restam. Em um mundo das distrações digitais, um mundo onde você não consegue deixar o pijama sem levar o celular junto, o vinho permanece absolutamente primário. Sem pressa. A música silenciosa da natureza. Por oito mil anos, os vinhedos agarrados à terra se impuseram em direção ao sol e nos fornecem frutos suculentos, e por fim, vinho. A cada gole tomado no presente, bebemos o passado – o momento em que as uvas foram colhidas; um momento perdido, mas recapturado – e tão vividamente que nossos laços com
a natureza se selam profundamente.”

(Karen MacNeil, A Bíblia do Vinho)

O vinho é uma das bebidas mais antigas feitas pelo homem. Existem evidências de consumo de vinho há mais de 8 mil anos. Por ser alcoólico e assim promover a distanciação da consciência, foi considerado por várias civilizações como algo religioso, fazendo parte de oferendas e rituais. Os gregos e romanos veneravam Dioniso (ou Baco), deus dos vinhos, festas, teatro, ritos religiosos e do êxtase. Os judeus também utilizam vinho em seus rituais religiosos desde os tempos bíblicos. Hoje o vinho faz parte da mesa de muita pessoas, não sendo diferente no Uruguai.

Uva Tannat <3

A uva considerada uva nacional no Uruguai é a uva tannat. Esta uva é originária do sudoeste da França. Entretanto hoje o Uruguai é o maior produtor de tannat. Usualmente envelhecida em carvalho, para criar maciez, o tannat pode ser rico, com sabor que preenche a boca, com sabor de cereja negra, chocolate e espresso. No Uruguai é o vinho de uva tannat é considerado o melhor acompanhamento para a parrillas. Além delas, no país também são produzidas as uvas merlot, cabernet sauvignon, chardonnay, sauvignon blanc e petit manseng. São consideradas as melhores vinícolas: Stagnari, Bouza, Garzon, Pizzorno, Pisano, e Juanicó.

Tonéis de carvalho

Aproveitamos uma dia em que a previsão do tempo era nublado, com possibilidade de chuva, e fomos à Bogeda Bouza. Acabou que não choveu e o clima levemente nublado foi ótimo para este passeio. Queríamos conhecer esta vinícola renomada e muito procurada pelos turistas. Iríamos ver o processo de produção do vinho (nada muito complexo e bem artesanal) e degustar os vinhos da casa. A base da bebida é uva e tempo. A uva é a base, o substrato para criar uma ótima bebida. O tempo acentua e faz o sabor característico do vinho, traz suas peculiaridades e nuances.

Restaurante

A plantação é loteada, dividida em áreas. Ao longo do processo, é feito o rastreamento do local de onde vieram as uvas. Esta informação está presente nos tonéis e depois vai parar no rótulo das garrafas. Assim é possível saber exatamente de onde veio a uva do vinho que está sobre a mesa. O solo, o clima da região e as mudanças climáticas influenciam na qualidade da uva produzida. Durante o tour fomos informados que o ano de 2015 foi um ano de produção de boas uvas. Esta é outra informação, que nem todos conhecem, mas que também é encontrada nos rótulos. A bodega possui um acervo dos vinhos que foram produzidos, uma enoteca. Algumas (ou várias) garrafas de cada safra são guardadas neste acervo. Ao longo dos anos eles vão abrindo essa garrafas para averiguar o sabor do vinho ao longo do tempo. As melhores uvas são reservadas para fazer os vinhos especiais, chamados de parcela única. Já os vinhos com denominação reserva são aqueles que passaram por mais tempo pelo processo de maturação que variam de acordo com a legislação do país produtor.

Coleção de carros antigos

O tour na Bodega Bouza é curto, as instalações são pequenas e localizadas ao lado da sede. Começamos pelas parreiras, com explicações sobre a técnica do plantio, colheita e até provar algumas uvas tannat direto do pé. Em seguida fomos ao prédio da vinícola, onde vimos o local de maceração e vinificação, processo em que ocorre a fermentação. Em seguida o vinho passa para a fase de maturação, sendo então armazenado em tonéis ou barris, sendo complementada por um período de maturação em garrafa. O tour do vinho se interrompe aqui e fomos ao salão onde encontra-se a coleção de automóveis antigos do proprietário da vinícola. São mais de 30 carros e motocicletas que datam a partir de 1920.

Degustação com acompanhamentos

Encerrada a visita histórica aos automóveis, voltamos para a sede da Bouza onde fizemos uma degustação de 4 vinhos (Chardonnay 2016, Tempranillo Tannat 2015, Tannat Merlot Tempranillo (2015), Parcela única Merlot 89 (2015), Tannat, Albariño, Chardonnay, Tempranillo), acompanhado queijos e salames. Como foram 4 taças pequenas de degustação, aproveitamos as mesmas para acompanhar também o almoço. Fomos de Lasanha Bolonhesa e Fetuccini. Ambos estavam muito bons. O Menu e os preços estão disponíveis no site da Bodega (http://www.bodegabouza.com/). Vale ainda ressaltar que o atendimento foi sempre cortês e ao final você pode aproveitar para passar na lojinha e levar um vinho para casa. Se a mala já estiver cheia, na volta você poderá comprar alguns vinhos da Bouza no DutyFree.

Pratos que comemos no almoço

Como a Bodega é um pouco afastada da cidade (20 km do nosso hotel), preferimos ir e voltar de uber/taxi. Assim podíamos degustar os vinhos sem problema e o preço saiu aproximadamente 40 reais cada trecho. Será mais fácil ir de Uber e voltar de taxi já que a vinícola é mais afastada e são poucas chances de pegar um uber facilmente. Caso não consiga por aplicativo, basta pedir ao pessoal do restaurante que eles chamam para você.

Onde comprar vinhos tannat no Brasil? Não existem muitas opções de vinhos uruguaios no Brasil, mas procurando acabamos encontrando alguns. Por exemplo, encontramos vinhos tannat uruguaios das seguintes vinícolas (lojas): Pueblo del Sol (Wine), Don Pascual (Wine e Evino), Narbona (Wine), Viñedo de Los Vientos (Wine), Carrau (Wine e Vinhosite).

E para ver os posts sobre a viagem ao Uruguai, basta clicar aqui!

Texto por Leonardo Araújo. Fotos Leo e Camila

Comments

comments

Leave a Reply