Pensatas

Por que não faço resoluções de ano novo

Dezembro é um mês clichê. Festas de confraternização, natal, ano novo, comida-bebida-comida, listas de resoluções para o ano seguinte, transito louco, simpatias, compras de ultima hora, bebida-comida-bebida, chororô, auto-analise, organização de armários, planos… já falei da comida-bebida-comida? Ah sim, falei. Só não falei dos quilos a mais ou da ressaca física e/ou moral.
Nossa, acho dezembro um mês muito cansativo. Percebi que não tenho preparo emocional para lidar com tanto evento, tanta gente que muitas vezes não tenho afinidade, tanta coisa ao mesmo tempo. Mas isso não só nesta época, isso vale para o ano todo.
Acho que a situação do meu pai contribuiu muito para o meu estado atual. Tantas vezes eu preferi ficar em casa, mesmo que ele no escritório ou vendo TV e eu no meu quarto ou na cozinha que em eventos ou até mesmo fazendo coisas minhas. É tipo estar ali, sabendo que o outro também está. Seja para conversar ou fazer a comida que ele gosta porque tá com paladar alterado…
Vi que o câncer dá metástases em quem está perto, de uma certa forma me sinto doente também. O sono fica leve, a alimentação muda, a disposição cai e a cabeça fica mais aérea. Lembra a parte de resolução de ano novo? Pois é, ai que ela cai por terra, é o meu segundo ano sem resoluções e eu tô bem assim. Planejamentos não acontecem, as vezes sonhos ficam de lado, o presente muitas vezes se torna mais importante.
Pode parecer péssimo, mas não é tão ruim. As dificuldades e fraquezas nos apontam que alguns planos são superficiais. Que nossas necessidades muitas vezes são luxos. Ah os gostos, eles mudam para o conforto. E seleciona quem é amor e quem é de amores. Foi nesta seleção que me casei. E pergunta se eu planejei? Não. Me casei no civil e religioso, tive 3 comemorações e foi tudo muito bom! Uns dias atrás estava aqui pensando com os meus botões: cerimonia de casamento não é complicado, complicado são as pessoas.
Claro que tem dor de cabeça, stress. E o que na vida não tem? O lance que valorizamos muito certas coisas, ultimamente os problemas são supervalorizados e vamos combinar que ter ou não chinelo de lembrancinha de casamento não vai mudar sua vida e sim seu orçamento. Seguir os outros é sufocante. Mas seguir as próprias convicções e vontades é uma ousadia que poucos tem.
Se você faz lista de resoluções, posso dar um conselho? Reduza esta lista. Coloque apenas o que você tem real vontade, não vai na onda dos outros. Você vai começar a se conhecer e isso é delicioso. Somente você sabe da sua própria vida, ela é única e não ser espelho da de ninguém. É difícil, mas de uma certa forma a minha maior resolução foi viver em paz e de uma certa forma tô conseguindo.

Feliz 2019 para vocês!

Estarei mais aqui, num formato um pouco diferente, espero que gostem <3

 

Leave a Reply