Tchau 2014! Te quero muito 2015!

Meu 2014 começou em 2013. Durante 2013 eu analisei a minha vida profissional e a minha saúde. Ainda neste ano eu fiz caminhadas e me matriculei na academia. No final do ano eu sentei com a minha família e contei a minha decisão, iria fazer o curso de corretor de seguros. Seguiria a carreira do meu pai e trabalharia com ele na corretora, não tinha forças físicas e mentais para começar algo do zero de novo. Tive apoio total dos meus pais e irmão. Meu namorado não entendeu a minha posição…

i 05

Crise dos 30? Não, vontade de viver. Não foi fácil. A visão que tinha era de muito trabalho e pouca vida, mas também vi que meu pai aprendeu e é apaixonado pelo que faz, faz tão bem que tem reconhecimento no mercado e vivemos muito bem, graças ao trabalho dele e a Deus.

Em paralelo eu vivia um relacionamento de 10 anos. O “A.” era um sujeito muito legal, gostava muito de mim, me amava. Mas era inseguro e isso o deixava ciumento. Ele era mais velho que eu 14 anos e passava por uma crise profissional pesada de anos e anos. Estava acima do peso, sedentário e eu o via numa depressão, ai me empenhei em ajuda-lo presencialmente e com conversas, até mesmo para tentar melhorar a nossa relação que eu não estava bem…

i 09

O primeiro modulo do curso foi uma tensão, na verdade sou bem disciplinada e obstinada, não sei relaxar enquanto não termino uma meta. Ai vi que era tranquilo mas continuei no foco e estava a cada dia mais motivada. Mudei a alimentação (obrigada Manjar Alimentos e Carol Dona Onça) e intensifiquei na academia com o auxilio da minha mãe e pessoas que lá conheci (Raquel e Bruno <3). Minha saúde melhorou, fiquei mais disposta e a auto estima melhorava cada dia mais.

i01

Em paralelo, minha vida com “A.” só piorava, acho que ele não entendia a minha ajuda, minhas conversas e que eu também precisava de cuidar da minha vida, se não nunca teríamos uma vida nossa. Não conseguia mais lidar com isso e não queria machuca-lo, dar falsas esperanças, o sentimento não era mais o mesmo e eu já não tinha mais forças para continuar aquele processo.

Terminamos pelo telefone, ele não merecia isso e nem eu. Como ele me bloqueou das redes sociais, respeitei a decisão. Com “A.” eu aprendi o que um relacionamento deveria ter: amor, carinho, respeito, cumplicidade, confiança, companheirismo, compreensão, paciência, doação… Mas sinto que faltaram vários aspectos destes no nosso namoro, mas foi a lição que eu vou levar dele para a minha vida toda.

i 04

Ai me voltei ao curso e ao blog, passei a escrever como estou agora, sobre as minhas vivências de forma mais aberta e natural. Fiquei mais feliz porque o Srta ficou mais eu, menos os outros. Fui recebida no Rio pela minha amiga Paula, foi um período ótimo de reflexão. Passei a conversar mais na sala e ganhei amigos especiais (e queridões): Adriana, Adriano e Felipe. E eu nunca imaginei encontrar isso naquela Saara,

Até que entrou uma pessoa na minha vida, o “G”. Inicialmente eu me senti sexualmente atraída por ele, mas foi uma paixão como eu nunca vivi.  Nunca devemos julgar um livro pela capa e ele me mostrou isso,  foi uma agradável surpresa. Passamos por momentos difíceis, nos ajudamos em vários aspectos da vida. Ao mesmo tempo nunca fui tão feliz como nestes últimos meses e eu acredito que vocês perceberam isso!

i 06

Por alguns motivos, não estamos juntos mais. Foi bem difícil e eu entendi que estamos em tempos diferentes de vida. Gostar e amar não são suficientes realmente “G.”, assim como muitas vezes é difícil conciliar sonhos com necessidades e eu vejo que no caso dele isso é bem forte. Ai eu o entendi, também me entendi e vi que não era para ser. Ainda vamos  finalizar a conversa, mas meu coração está em paz, não está pronto para outra mas hoje quero muito que o “G.” seja parte da minha vida mas como amigo e acredito que será possível sim, não quero perder uma pessoa especial e tão bacana.

Aprendi com “G.” o amor num grau que nunca senti, vivi na prática o significado da palavra saudade, vi que temos que correr atrás dos nossos objetivos sem deixar de lado o bom humor e alegria e sim, aprendi o que é sofrer por amor. Mas também a entender que isso não é o fim e que muitas vezes as pessoas passam na vida da gente para nos ensinar. Claro que ainda tô dando as minhas choramingadas, havia uma rotina muito gostosa e carinhosa e foi um corte brusco que inclusive foi feito por mim mas que foi necessário. Em um ano eu terminei dois relacionamentos e não me arrependo. E aprendi com os dois, foram importantes para mim e são.

Hoje me sinto uma pessoa melhor, mais calma, mais centrada, mais humana. Reduzi o meu ritmo, a minha ansiedade e penso muito mais antes de agir. Passei a rir mais de mim mesma, correr nos finais de semana e voltei a desenhar. Na época que estudei Fonoaudiologia vivi muita história de vida pesada e relembrei muito durante este ano sempre que me queixava de algo. Sou uma pessoa abençoada, reclamar é normal, mas acho que temos que tentar colocar mais leveza e prazer na nossa vida para maiores momentos de felicidade.

i 03

Finalizei o curso e já fiz um planejamento. Hoje sei muito bem o que quero da minha vida, o ano de 2014 foi especial, vivi intensamente, aprendi muito em vários aspectos e sou uma Camila totalmente diferente da que começou o ano. Quero demais 2015, como nunca quis um ano novo! Vou fazer de tudo para que ele seja um dos melhores da minha vida!!!

i 13

ps.: sobre os nomes dos namorados, eu conto o conto mas não conto os santos. Acho que eles merecem respeito e eu os reservo a minha intimidade. Não gosto de expor a minha vida pessoal, mas gosto de compartilhar as minhas experiências. Eu “escolhi” esta vida, eles não.

Não mencionei algumas pessoas no texto mas vou cita-las aqui pois elas foram importantes em 2014 e me ajudaram neste processo: Ana do Pret-a-Porter, Ana do Hoje Vou Assim Off,  Karla, Carol e Marcela do Pluriblogs, Nádia, Cris Massoli, Cila e Joana (cariocas que eu amo!), Fernanda Amarante, Julis e Paulo… e vocês que me leem, comentam ou curtem, vocês me ajudaram bastante e fizeram com que o Srta continuasse…

Se puder dar uma dica, leiam o Flavio Gikovate. Ele é um psiquiatra que fala e escreve muito bem. Através de várias falas dele eu repensei muita coisa na minha vida e pode ser que contribua para a suas também. Link aqui!

Vejo vocês ano que vem! Beijos! Camis <3

i 12

Todo mundo precisa de uma bunda?

Bom, o título foi uma pegadinha. Na verdade foi e não foi. Semana passada circularam as fotos da não-sei-lá-celeb Kim Kardashian na revista Paper. A donzela mostrava os seus atributos, bom o atributo: a bunda enorme. Juro, eu não entra na minha cabeça uma bunda daquele tamanho, deve pesar as costas. Enfim…

Mas a questão é outra. Viram que eu não consegui denominar o que a moça faz? Pois é, ela ficou famosa por um video pornô caseiro que “caiu na rede”. Ela já era rica, ai depois disso ganhou fama e até série na tv. Assisti algumas vezes, certas coisas são bem engraçadas porque eles são bem escrachados, mas nada imperdível. A impressão que dá é que os Kardashians são emergentes, não sabem lidar e querem mostrar a qualquer custo que eles são fodões. Kim causa o tempo todo, quem ainda não sacou que é proposital? Se bobear ela pediu um aumento de bunda na publicação para ficar mais chocante. Lembrando que ela já passou por várias plásticas, criou um jeito Kardashian de maquiagem e seu estilo é copiado por muitas (apesar de ser duvidoso ao cubo).

kk 01

Para mim este comportamento esconde uma carência das bravas. Carência que aliada ao curiosidade humana sobre vida alheia. Com a internet, ficou fácil conseguir uns “likes de fama”. A figura vai lá, causa e pronto, muitos seguidores, likes e depois um ciclo vicioso para manter a fama, afinal tem muita gente que gosta de ser bajulado, a pessoa se sente mais forte e capaz. Jeito Kardashian de ser. Mas e a intimidade? Juro para vocês, vi uma pessoa que postou os tubetes de exame de sangue, olha, foi demais para mim. Ai tinha um tanto de gente perguntando o que foi, desejando melhoras. Perae porra…

Ai esta ultra exposição gera um outro fenômeno. As pessoas acham que porque certas pessoas abrem a vida para a geral que a de todo mundo sujeito a palpites, bisbilhotamentos e afins. Curiosos sem noção. Olha, isso é irritante e dá um certo medo. É um direito meu, seu e quem quiser não expor a vida, ter que dar satisfações. Eu sou bem reservada na minha vida pessoal, com o tempo eu aprendi que isso seria melhor e foi.

kk 02

Intimidade a gente só dá para quem quer. Tem gente que é puta das intimidades, dá para todo mundo e depois reclama que não tem sossego, que tá na boca da galera, ai sofre quando algo dá errado e todo mundo vem perguntar, mas a carência é tão forte que prefere sofrer no coletivo que chorar no cantinho. Em vários momentos eu tive que chorar no cantinho este ano. E não queria consolo porque somente eu poderia resolver as minhas questões. Precisava de tempo para pensar. Tem gente que não vai te ajudar e se bobear pode piorar o seu estado mental. Fiquem esperto com estes “amigos curiosos”, dica de amiga (e de grátis e sem ser publi!).

Respeitar quando não te dão trela também é vital. Guarde a sua curiosidade num potinho. Se a pessoa não quer, não force. Ela tem os motivos dela e se um dia se sentir a vontade ela vai te falar ou você vai saber. E se coloca no lugar do outro, você tá com um problemão e tem gente te pentelhando… Vai resolver alguma coisa? Na minha vida foram poucos que entraram e me ajudaram. E os que me ajudaram foram os que procurei pois tinha a certeza que eles me dariam a mão.

kk 03

Vou te contar, o mais próximo que chego da Kim é que ela tem uma bundona e eu também.  Ainda bem as semelhanças param por ai.

 

Sobre o outubro rosa e outras coisas

Uns cinco anos atrás, eu acordei cedo para levar minha mãe ao hospital. Ela ia tirar um nódulo no seio. Vocês sabem o que isso significa não é? Poderia ser câncer ou não. Meu pai não poderia levá-la e sinceramente eu acho que ele estava com medo, quem não teria não é? Apesar das diferenças, eles são muito companheiros e se dão muito bem.

No caminho nós fomos caladas, geralmente quando minha mãe está no carro não existe silêncio. Ela estava apreensiva e para piorar, o trânsito estava ruim e ligaram do hospital avisando que ela tinha 20 minutos para chegar. Ela desesperou, começou a falar sem parar…Nós chegamos e só Deus sabe como eu corri, cortei carros e avancei sinais. Ela foi na frente, fui parar o carro e só tive notícias que ela estava “no preparo” para a cirurgia. Merda, eu não consegui me despedir, não consegui desejar boa sorte…

mae 01

Aí eu esperei longas duas horas e meia. A enfermeira me disse que estava tudo ok, mas só sossegaria ao vê-la no quarto. Ela chegou desacordada, tão frágil. Não parecia aquela mulher tão alegre que me ensinou tanta coisa, inclusive a ser uma mulher. Eu chorei demais, brotou uma sensação de perda repentina que nunca me aconteceu antes.

Ela acordou, conversamos e ela pediu para ir ao banheiro. Ela olhou o seio operado, uma pequena cicatriz. Não sei se isso a incomoda tanto, mas a nossa preocupação maior passou dias depois ao saber que o nódulo era uma calcificação e ela teria apenas que fazer um controle periódico mais intenso que o de costume. Ela continuou vaidosa e alegre como sempre, nada de se abater.

mae 03

Meu pai ficou com ela no hospital, eu fui para a faculdade. Mamãe teve alta no mesmo dia e no outro já queria retomar as atividades diárias da casa. Parece meio estranho, mas isso me deixou mais próxima a ela. Hoje ela me escuta bastante, nos últimos meses ela se tornou aquela que me escutava quando eu precisava de desabafar e colocar as minhas idéias no lugar.

Hoje eu entendo que a gente tem que aproveitar as oportunidades que a vida nos dá mesmo que sejam no meio da tempestade. Neste caso foi uma tempestade de verão que chegou sem avisar, veio forte e saiu dando lugar a um sol inexplicável. Quero conviver não só com minha mãe, mas com meu pai e meu irmão o maior tempo possível, a gente nunca sabe o que vai acontecer daqui para frente. Assim como pessoas queridas, poxa, todo mundo fala de falta de tempo. Nem sempre é necessário sair para um bom lugar, que tal assistir um filme em casa comendo pipoca de microondas e tomando coca-cola? Não precisa de arrumar roupa, maquiar, gastar uma grana louca…

Simplificando para viver mais o que realmente importa.

mae 02

ps.: façam o controle não só do auto-exame das mamas, mas sim um check-up total com frequência. A grande maioria das doenças pode ter um tratamento com maior eficiência se tratadas logo no início. É complicado manter uma disciplina, mas ultimamente tô anotando tudo numa parte da agenda (é, eu sou idosa e uso agenda de papel ainda rs).

fotos Pedro Furtado | Exposição do Dia das mães do Shopping Boulevard

1 2 3 11